quinta-feira, 8 de maio de 2014

video
nesse ano de 2014, o Animamundi vai exibir o curta-metragem Miss dollar, onde tive o prazer de trabalhar como animador nessa produção.

segunda-feira, 10 de março de 2014

O desenvolvimento das técnicas de animação no início do século XX (por volta de 1914) permitiu que houvesse um progresso nos estúdios de animação.
Com a criação do acetato,  que até então, os animadores faziam os desenhos em folhas de papel opaco, sendo assim obrigava o animador a simplificar graficamente seus personagens e limitar a introduzir elementos cenográficos a seus filmes. Com a chegada do acetato em sua "transparência", se tornou possível a "combinação"de "elementos animados" com o cenário estático. O acetato proporcionou ao cinema de animação um grande impulso como manifestação artística. Até o final dos anos 80, o sistema de uso do acetato era usado para se produzir filmes de animação.

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Livro da semana: Eric Goldeberg


O último dos grandes animadores da Disney da fase antiga no seu livro “Character animation crash course”, vale a pena!

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Caverna do dragão



A série de animação que foi inspirada no jogo de RPG Dungeons and Dragons tormou-se um “cult” dos anos 80 e ainda atormenta a alma de muitos fãs que querem saber o final da série.

O que se sabe é que foi escrito o último episódio pelo roteirista Michael Reaves. Nele é relatado os acontecimentos finais da jornada dos jovens aprisionados em busca do retorno ao seu próprio mundo.

O roteiro acabou virando uma HQ ilustrada pelo cartunista brasileiro Reinaldo Rocha.

Aqui vemos os “models” dos personagens porque a partir daqui o animador  de acordo com as características dos personagens.


















Um fato curioso é que no episódio “O servo do mal”, Eric se abana com uma HQ do “Homem Aranha” - personagem da Marvel que também produziu as animações da caverna do dragão em parceria com a Toei Animation.  Confira AQUI este episódio.




terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Aos 45 do segundo tempo: inscrições para festival francês terminam nesta semana





Até o dia 14 de fevereiro, o Festival Plein de la Bobine aceita inscrições  de curtas-metragens voltados para o público infanto-juvenil. Os filmes devem ser de ficção, animação ou experimentais, finalizados após novembro de 2012, e preferencialmente que tenham como público-alvo crianças e jovens de 3 a 15 anos. As inscrições podem ser feitas até o dia 14 de fevereiro pela plataforma ShortFilmdepot ou por via postal. Mais informações: http://www.pleinlabobine.com

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Gigante de ferro, a união entre lápis e papel com o 3D



O “Gigante de ferro” é uma animação que encanta várias gerações. O roteiro prende porque toca o coração. Aliás, acho que esse é o grande segredo. Por que gostamos tanto do E.T.? A fórmula do “Gigante de ferro” é a mesma do blockbuster de Spielberg, mas dessa vez é a amizade de um menino e um robô.

Essa animação ainda foi feita no lápis e papel, na mesa de luz, porém o gigante de ferro foi feito em 3D. Só que o render foi feito em 2D. Sendo assim, há um casamento perfeito entre a animação do menino e robô. Esse filme vai além de um desenho bem-feito, pois todas as poses estão orgânicas, ou seja, têm vida. Ele é tão sólido que os personagens parecem reais. Um olhar mais leigo pode até pensar que é rotoscopia. Mas, não é. 

Confesso que chorei no cinema no final do filme. Mas, não vou escrever aqui o final para não estragar a surpresa daqueles que ainda não o assistiram. 




quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Kit de sobrevivência para um animador



Não, eu não vou fazer uma lista do tipo: luva para evitar tendinite, lápis, papel, apontador, um bom computador, uma wacom ou uma cintiq. Nem mesmo dizer que uma almofadinha na cadeira pode melhorar a dor nas costas. Este post é para falar de um livro que realmente todos animadores devem ler. Aliás, é o “must have” para estar ao lado dos seus DVDs, HQ´s e bonequinhos. A capa é bonita, mas ele não serve só para enfeitar a estante.
Foi escrito pelo diretor do Roger Rabbit, Richard Williams. Ele explica passo-a-passo como desenvolver uma boa animação, assim como timing, spacing e pose. Confesso que já o estudei muito e ainda o uso como referência. É um dos meus livros favoritos.








quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

O governo vai liberar R$ 400 milhões para o audiovisual



É sempre importante saber o que está acontecendo no mercado. Hoje, houve uma palestra em São Paulo sobre o Fundo Setorial do Audiovisual da Ancine. Atualmente, eles estão aceitando inscrições de projetos. Parece que o governo vai liberar R$ 400 milhões de recursos para o audiovisual. Uma pessoa que eu conheço que estava lá me contou que o palestrante disse que a animação é a menina dos olhos deles. Mas que há problemas porque há dificuldades para encontrarem animadores, pois faltam pessoas especializadas e, muitos que estão no mercado, acabam indo para a publicidade ou mudando de país. Coincidentemente, hoje escutei que faltam animadores especializados em Toon Boom no mercado paulista. Bom, a gente que está na labuta sabe muito bem os motivos, né?

O governo também está querendo estimular as coproduções regionais e desburocratizar os editais... Vamos ver se vai acabar com tanta burocracia. É importante ver o mercado de uma maneira geral para saber o que está acontecendo. É preciso não desanimar para continuar animando. Bora, desenhar e imaginar novas ideias para novos trabalhos



segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014




As Bicicletas de Belleville na Gibiteca de Santos

 

Boas iniciativas sempre devem ser compartilhadas. O trabalho que o André Azenha faz em Santos, fomentando a cultura audiovisual, é incrível. A escolha dessa animação é uma ótima desculpa para descer a serra... Aliás, quem é de sampa conhece a Gibiteca de Santos? Vale a visita.

 
08/02: Cine Comunidade exibe As Bicicletas de Belleville na Gibiteca de Santos


O Cine Comunidade consiste na exibição de longas que abordam temas do cotidiano, seguidos por bate-papo com o jornalista e crítico de cinema André Azenha. E objetiva desenvolver um olhar mais crítico e aprofundado no público para produções audiovisuais. A entrada é franca. Em 2013, o projeto realizou quase vinte sessões entre agosto e dezembro, atingindo 11 espaços de Santos. Neste sábado, 8 de fevereiro, 17h30, o projeto volta à Gibiteca de Santos com a premiada animação francesa “As Bicicletas de Belleville”. O apoio é da Vídeo Paradiso.

Sobre o filme:

“As Bicicletas de Belleville” (2003) é um filme longa-metragem de animação franco-belga-canadense dirigido por Sylvain Chomet. Concorreu ao Oscar 2004 nas categorias Animação e Canção Original.

Champion (Michel Robin) é um menino solitário, que só sente alegria quando está em cima de uma bicicleta. Percebendo a aptidão do garoto, sua avó começa a incentivar seu treinamento, para fazê-lo um verdadeiro campeão e poder participar da Volta da França, principal competição ciclística do país. Porém, durante a disputa, Champion é sequestrado. Sua avó e seu cachorro Bruno partem então em sua busca, indo parar em uma megalópole localizada além do oceano, chamada Belleville.

“De uma maneira graciosa, satírica e muito particular, o filme consegue ser irresistível. Vale a pena conhecê-lo”, escreveu o crítico santista Rubens Ewald Filho.

Duração: 80 minutos.

Classificação indicativa: Livre.  




O projeto:

Em 2013, o Cine Comunidade, idealizado pelo jornalista André Azenha e realizado pela Secretaria Municipal de Cultura de Santos, com apoio da Vídeo Paradiso, se expandiu e passou a acontecer em mais bairros de Santos: desde agosto de 2013 já foram 18 sessões que passaram por 11 espaços de Santos: Centro da Juventude da Zona Noroeste (Rádio Clube), Instituto Arte no Dique (Rádio Clube), Cine ZN, Associação Tia Egle (Dale Coutinho), Ação de Recuperação Social do Saboó, Centro Cultural do Morro do São Bento, Biblioteca Plínio Marcos de Caruara, Centro Comunitário do Castelo Branco (BNH, Aparecida), CAIS Milton Teixeira (Vila Mathias), Brinquedoteca Municipal na Ilha Diana e Museu da Imagem e do Som de Santos (Vila Mathias). Mais de 1000 pessoas passaram pelas sessões, que atingiram crianças, jovens, adultos e idosos.

Serviço:
 Cine Comunidade: Sessão do filme As Bicicletas de Belleville + bate-papo
Sábado, 8 de fevereiro, 17h30
Gibiteca Municipal Marcel Rodrigues Paes
Entrada franca
Realização: Secretaria Municipal de Cultura de Santos
Apoio: Vídeo Paradiso

sábado, 1 de fevereiro de 2014

Mais uma do Walt Disney...

Hoje o dia foi bem corrido, mas não poderia deixar de postar no Blog. Acabei de ver esse trailer com o Tom Hanks no papel de Walt Disney quando ele tentava convencer a autora da Mary Poppins a deixarem fazer o filme. Realmente, é divertido fazer o impossível.  Um bom final de semana.

http://videos.disney.com.br/watch/trailer-walt-nos-bastidores-de-mary-poppins-4eba0e58b7b0904a3c1f9f90

sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Filmation


Eu sou fã da Filmation. Pronto, falei. Por quê? Calma aí, já explico. Além dos desenhos da época serem bem produzidos, como Tarzan, He-man, She-ha, Os Fantasmas, Flash Gordon, Star-Trek, Shazam, Super Mouse, até mesmo uma nova série do Tom & Jerry, entre outros, essa produtora usava muita reutilização nos desenhos para conseguir produzir com rapidez mais episódios. Eles chamavam isso, literalmente, de estoque. 

A animação era boa, mas o objetivo maior eram os roteiros, ou seja, o “negócio deles” eram contar histórias.

Para quem não sabe, a Filmation foi fundada em 1963, na Califórnia, e encerrou suas atividades em 1989. Para quem está lendo esse post e é da geração Y, já aviso que a Filmation foi uma grande concorrente da Hanna-Barbera. É, claro que Hanna-Barbera é Hanna-Barbera, ok, molecada? 
No ano passado, fiquei muito triste com a morte da produtor Lou Scheimer. Eu falo isso porque os desenhos da Filmation, até hoje, me trazem uma certa magia. Suas histórias e desenhos me remetem ao encanto que sentia quando eu era criança.

Um dos episódios do He-man que mais me marcou quando eu era pequeno foi aquele em que a Teela descobriu que era a filha adotiva do Mentor e a sua mãe biológica é a Feiticeira. Essa série de animação é muito criticada por ser um desenho animado cheio de lições de moral. Que, em certo modo, concordo. O He-man é moralista. Porém, o desenho trazia valores de amizade e família, que são importantes para a formação de uma pessoa. 

O roteirista de desenho animado deve ser responsável por aquilo que está escrevendo para uma criança. Sim, temos de ser responsáveis pela mensagem da animação que estamos fazendo. 

Para quem quiser assistir (ou rever) o episódio da Origem de Tila é só clicar neste link: A ORIGEM DE TILA.


quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Livro da semana


Nunca esqueci que, na minha primeira semana trabalhando com animação - olha, que isso foi há muito tempo, no início dos anos 90 -, me indicaram o livro “The illusion of life. Disney Animation”, do Frank Thomas e Ollie Johnston.  Vinte anos depois, me vi indicando esse livro para os alunos de um curso que ministrei sobre animação tradicional. 

Aliás, tenho de deixar registrado aqui que meu exemplar ganhei de um grande amigo, Cleiton Cafeu, da Cafeu Filmes, que tenho o prazer de trabalhar com ele até hoje.

Esse livro é um grande caldeirão de técnicas, dicas e conceitos para quem quer trabalhar com desenho animado.

Sobre os autores desse livro, cabe um post especial o qual vou escrever ao longo deste ano. Mas, quem for ansioso, pode buscar a história deles. É só só dar um google. Aliás, quem quiser, busque o documentário “Frank and Olive: their friendship changed the faced of animation”. Vale a pena.